terça-feira, 23 de março de 2010

AO REDOR DA FOGUEIRA...

O Corpo Nacional de Escutas, juntamente com a Associação de Escoteiros de Portugal e a Associação de Guias de Portugal, congregam de mais de 75 mil Escuteiros nas 3 Associações Escutistas, o que lhes dá o estatuto de maior Movimento de juventude do País.
No entanto, pelas leis que vão sendo publicadas pelo Governo da Nação, começa a ser difícil dar integral cumprimento aos programas desses organismos de juventude, porque se encontram confrontados com acrescidas dificuldades para a realização dos seus acampamentos, por causa da entrada em vigor de um decreto-lei que veio regulamentar o licenciamento de diversas actividades de via pública.
Por força dessa lei, aconteceu haver uma passagem da via pública para a propriedade privada e a partir daqui... para todo o território nacional.
O Escutismo, movimento educacional que se encontra espalhado por todo o mundo, foi fundado por Lord Baden-Powell há mais de 100 anos - foi em 1907 -, é uma escola de verdadeira formação integral do jovem e usa o voluntariado como sua força motriz. Trata-se de um Movimento apartidário que não tem fins lucrativos, tendo já passado pelas suas fileiras vários milhões de jovens em todo o mundo, podendo afirmar-se que ascendem a uns largos milhares aqueles que em Portugal fizeram um dia a sua Promessa.
No Escutismo cultiva-se o desenvolvimento integral dos jovens, que o escolheram como uma opção de vida, levando-os a aceitar para si, voluntariamente, o viverem segundo alguns valores em que os mais fortes são a Honra, a Lealdade, o Respeito pelo outro e pelo Ambiente. Incentivam-se os jovens ao trabalho em equipa e a procurarem a salutar vida do ar livre, propondo-se que assumam o seu próprio crescimento e possam dar ao seu Próximo exemplos de Fraternidade, Lealdade, Altruísmo, Responsabilidade, Respeito e Disciplina.
Sou Escuteiro desde 1950... e sempre vi os Escuteiros zelarem pelo espaço por si ocupado no campo e bem assim pelos seus pertences, uma vez que faz parte dos valores que aprendem no Escutismo, que não se coadunam de modo algum com o incumprimento desta regra, pois cumprem sempre as Máximas ou a Lei que lhes dizem para “deixar o mundo melhor do que o encontraram” ou “A honra do Escuta inspira confiança”.
Os Escuteiros, quando acampados, eximem-se de praticar quaisquer actos que possam provocar incomodos a terceiros, tais como o fazerem qualquer espécie de ruídos, durante a noite. Talvez tivesse maior pertinencia promover o cumprimento da lei do ruído nos aglomerados populacionais...
Quando um Escuteiro acende uma fogueira, não se esquece de cumprir todas as regras de segurança contra incêndios. Quem conhece o Escutismo sabe que uma das grandes actividades dos Escuteiros, nos acampamentos, é o “Fogo do Conselho”, considerado como uma actividade pedagógica de enorme relevo e significado.
Podem ser compulsados os registos existentes no Serviço Nacional de Bombeiros, e aí poderá verificar que, num século de Escutismo em Portugal, não há memória de um incêndio que tenha sido provocado por Escuteiros, mas, antes pelo contrário, constata-se que eles contribuíram inúmeras vezes para evitar a eclosão de acidentes desta natureza.
O Escuta deixa sempre o local do campo mais limpo do que o encontrou, pois a única coisa que lá deixa são os agradecimentos aos proprietários... pela utilização do espaço.
Seria bom que o Governo, através da Secretaria de Estado da Juventude, estivesse mais atento à necessidade de darem ao Escutismo a atenção que ele merece, porquanto o Decreto-Lei está atento até ao cauteleiro ou ao arrumador de carros... mas não dá a mínima atenção a um Movimento mundial com a dimensão do Escutismo... e os jovens Escuteiros portugueses agradeciam que não lhes fosse coartada a posíbilidade de viverem o seu Ideal Escutista, sem outros obstáculos que não sejam o serem jovens felizes que caminham com confiança a Pista da sua vida!
Esta lei também proíbe a prática do campismo às famílias detentoras de dificuldades económicas, coisa incompreensível num estado que afirma ter preocupações sociais.
As associações de Escuteiros de Portugal já pediram a alteração da lei, por diversas vezes, mas ninguém do Governo lhes dá ouvidos. A lei, se estando atenta à vocação do Movimento Escutista, também estaria a ajudar no controle dos imensos fogos que no Verão vão grassando um pouco por todo o País. Urge alterar a Lei, fazendo-a atentar na situação especial dos Escuteiros, tornando-a ao mesmo tempo numa Lei mais razoável para o comum cidadão .
Um Fogo de Conselho sem fogueira? Onde já se viu?
Boa Caça e uma forte canhota do Lobo Esfaimado.

Sem comentários: